ShakeUp Power 100

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Obama in Brazil


 Texto próprio de GermanoCWB publicado em jornal em março de 2011

Obama in Brazil

O final de semana foi marcado pela visita do presidente norte-americano Barak Obama ao Rio de Janeiro e Brasília.
Popular e carismático ele pretendia fazer um discurso ao vivo para o povo brasileiro, mas é lógico que não deixaram, e o popular presidente foi confinado no menos popular teatro do país discursando para alguns convidados escolhidos a dedo. De resto, a programação foi normal: visitar a favela, ouvir e dançar samba, ver capoeira, chutar bola, distribuir presentinhos, visitar o Cristo Redentor e subir a rampa do palácio em Brasília. Tudo exatamente como sempre acontece com todos os convidados ilustres.
Mas a visita de Obama esconde muita coisa por trás de todo esse circo armado para o povo.
Começa que essa visita tem um surpreendente valor histórico já que é o Obama visitando a Dilma.
Ele, o primeiro presidente negro de um país que até a poucas décadas restringia o acesso de negros a ônibus, escolas, teatros, restaurantes e lanchonetes, linchando e ateando fogo aos corpos dos metidinhos que ousassem quebrar essas regras, tudo sob o olhar complacente da polícia e de outras autoridades. E ela, a primeira mulher a assumir o posto de presidente de um país que até a poucas décadas negava às mulheres o direito de votar e de se candidatar a cargos políticos, e onde matar a esposa supostamente infiel era considerado ‘legítima defesa da honra’.
Sobre os discursos de Obama a TV e os jornais já despejaram sobre nós uma avalanche tsunâmica de análises econômicas, políticas e sociais. Falaram de acordos comerciais, parcerias entre empresários, copa do mundo, olimpíadas, tarifas, taxações e facilitação para obtenção de vistos. E falaram e mostraram muito do que o brasileiro mais gosta: elogios. E Obama não os economizou e até citou semelhanças históricas entre os dois países.
Mas o curioso é que não ouvi ninguém falar sobre o imenso temor que há muito ronda os governos dos EUA, que é a brusca mas silenciosa e traiçoeira guinada da América latina para a esquerda, rumando a passos largos para o comunismo, travestido de social-democracia.
Isso já aconteceu uma vez e os militares, ‘incentivados’ pelos americanos, tiveram que tomar uma atitude. E, de tempos para cá vêm acontecendo de novo, já tendo tirado o sono de George W. Bush e agora atormentando o Obama, presidente do país mais liberal do planeta e que vê, estarrecido, o maior país do sul do continente afirmar nas urnas por três vezes consecutivas a sua preferência pela esquerda comunizante, pelo paternalismo e pela mendicância, a exemplo do que já ocorreu em quase todos os países vizinhos a nós.
Ele provavelmente olha as fotos e notícias do namoro indecente do Lula com as FARC, com Evo iMorales, com Hugo Chaveco e outros canhotos da América do Sul, soma isso com o dossiê da Dilma e com a honorabilidade do Lula no Foro de São Paulo, soma ainda os cofres da Internacional Socialista que bancou a vida subversiva e as viagens para Cuba e para a extinta União Soviética dos ‘heróis nacionais’ que hoje comandam nosso país, e multiplica tudo isso com as nossas parcerias comerciais com as comunistas China, Cuba e Rússia e certamente tem pesadelos.
Os EUA são a maior potência do planeta nas áreas militar, econômica, política, tecnológica, estudantil, social, científica e várias outras coisas, causando nas pessoas uma enorme inveja e fazendo deles o país e o povo mais odiados do planeta, vítimas de um antiamericanismo global e doentio, incluindo aqui os brasileiros. Exatamente como acontece com vizinhos ignorantes: basta ter sucesso para que comecem a falar mal de você.
Mesmo chamados de imperialistas, colonizadores, a besta, o mal, satã e etc., é para lá que todos querem rumar para ver se tomam para si um pouco do que é deles. E, assim, uma enorme horda de latinos invadiu aquele país exigindo, sob a bandeira do socialismo, do paternalismo, da caridade e de outras barbaridades, que eles dividissem o que conquistaram com muito trabalho e inteligência, quebrando, dessa forma, a previdência e outras instituições americanas. Conjuntamente muita coisa mudou no mundo e os EUA estão vendo que se eles não se mexerem, vão quebrar.
Sempre se fala que os EUA são também o maior mercado consumidor de tudo o que se imagine do planeta, mas não explicam que, como eles compram tudo de todos, precisam de nações livres e abertas ao mercado e ao comércio. Ditaduras e radicalismos atrapalham os negócios e, por isso eles se metem em tudo em todos os lugares, interferindo em governos fechados, sendo então acusados de imperialistas que invadem para roubar o petróleo do Iraque ou a água do nosso aqüífero Guarani. Na verdade eles querem governos democráticos e abertos ao comércio para que eles possam comprar petróleo e água, e vender sua produção. E as diferenças comerciais, que certamente existem, devem ser resolvidas na mesa de negociações.
Abrir novos mercados na bala, como no Iraque, custa muito caro e é muito antipático. É melhor deixar que o ‘movimento popular’, que passou pela Grécia e por outros países, e que agora está na Líbia faça o serviço. É muito mais barato e não é preciso mostrar a cara.
Por isso tudo, a visita de Obama tem também o objetivo de dar um recado para toda a América do Sul: - Look latinos, eu estou de olho e não vou deixar um mercado desse tamanho se fechar por causa de radicalismos, hein.
Para finalizar tenho que dizer que o Lula sempre me surpreende. Todos viram que ‘O Cara' não apareceu nem para cumprimentar o Obama, dizendo que não poderia ir por causa da festa de aniversário do filho. O que levaria o Lula a trocar o Obama pela festinha do filho, senão para evitar ofuscar ainda mais a apagadíssima Dilma?
‘O Cara’ foi de uma finesse digna de um gentleman.
Surpreendente!


GermanoCWB
Março de 2011

0 comentários:

Postar um comentário

Agradeço muito seu comentário, porém comentários ofensivos, ou em CAIXA ALTA, ou escritos em miguxês, ou ainda em internetês serão deletados.

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons